Eric é uma IDE feita em Python e para Python.

O Eric é um ambiente de desenvolvimento integrado voltado para a linguagem de programação Python.
Para fazer este post, analisei a versão 17 no Debian 9.

Como IDE, o Eric se propõe a ser uma ferramenta completa para quem usa o Linux como sua plataforma favorita de desenvolvimento.
De acordo com a página do pacote, a aplicação é escrita em PyQt e o widget QScintilla para edição de texto.

Veja algumas de suas características:

  • Edição de texto configurável, destaque de sintaxe (syntax highlighting) e auto indentação.
  • Gestão integrada de projetos.
  • Uma janela de exploração conectada à sua estrutura de diretórios.
  • Debuggers e shells interativas, integrados para Python e Ruby.
  • Janela de exposição de variáveis globais e locais.
  • Interface integrada para o módulo “unittest”.
  • Interface de usuário (UI) em diversos idiomas.
  • etc.

Use o comando apt show para obter mais informações sobre o pacote:


apt show eric

Use o Dash do sistema, caso prefira a instalação pela interface gráfica (GUI).
debian gnome dash eric install
debian gnome dash eric install
Para quem prefere usar a CLI, rode o apt para fazer a instalação:


apt install eric

Depois de instalada, a IDE irá pedir algumas configurações iniciais, através do assistente.
Eric Python IDE

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 49 outros assinantes

Use ambientes virtuais para executar código Python.

Ambientes virtuais podem ser usados para executar diferentes versões do Python, na sua máquina.
A ferramenta mantém dependências requeridas por projetos distintos em locais separados, com a criação de ambientes virtuais (ou virtual environments) nos quais podem ser abrigados.

O recurso resolve o problema criado quando o projeto A necessita da versão 2.x enquanto o projeto B precisa da versão 3.x.

O vitualenv, torna mais fácil trabalhar em projetos que usam diferentes versões do Django, por exemplo.
A ferramenta pode ser instalada através do PIP e serve para criar ambientes isolados para rodar seu código Python — através da criação de um diretório ou pasta, contendo todos os executáveis necessários para execução dos pacotes de cada projeto.
Para ver a versão disponível nos repositórios Pypi, use a opção ‘show’ ou ‘search’:


pip3 search virtualenv

Já no universo Linux, também é possível fazer a instalação dos repositórios da sua distribuição — com a vantagem de usar uma versão do software testada para a sua plataforma. A desvantagem, neste caso, é que a dos repositórios oficiais pode estar um pouco defasada.
No Debian 10 Buster, a versão disponível para download é posterior a 15.1 — mais ou menos a mesma disponível para instalação através do pip. Veja como verificar:


apt show virtualenv | grep -i vers
 WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts. Version: 15.1.0+ds-1

Se você prefere o pip para fazer a instalação, use o seguinte comando:


pip3 install virtualenv

Se você usa o Linux, pode precisar invocar o sudo para obter privilégios administrativos necessários para fazer a instalação. Veja um exemplo no Debian Linux:


sudo apt install virtualenv

Após a instalação, faça um teste, para ver se tudo está bem com a opção ‘–version’:


virtualenv --version
 15.1.0

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 49 outros assinantes

Configure o Vim para editar código em Python

Tenho experimentado vários editores e algumas IDEs para escrever e editar código em Python, PHP e outras linguagens de programação.
Depois de um tempo, tenho a tendência de sempre voltar à simplicidade do Vim.
Se você nunca o usou, mas tem curiosidade, recomendo ler um pouco mais sobre o editor, antes de voltar para ler este texto.
O Vim não revela fácil sua magnificência para as pessoas.


Claro que ninguém precisa configurar o editor Vim para qualquer linguagem específica e, se você usa mais de uma, provavelmente é melhor não fazer isso.
Alguns dos ajustes que seguem podem ser adequados, contudo, para quem só programa em Python.
Qualquer editor de texto puro é adequado para escrever seu código em Python. Contudo, editores com suporte a syntax highlighting, entre outros recursos avançados, podem facilitar bastante a sua vida.
Os ajustes sugeridos, neste texto, para o editor Vim, vão ajudar a escrever código compatível com o PEP 8, tornando-o mais eficiente e legível.
Fique à vontade para sugerir os seus ajustes preferidos nos comentários.
Veja quais são os que eu uso:

  • Quebra de linhas com mais de 79 colunas.
  • Indentar de quatro em quatro colunas de texto.
  • Tabulação (hard TAB) de 4 colunas.
  • Inserir espaços, quando teclar TAB.
  • Inserir ou remover 4 espaços quando teclar TAB ou Backspace.
  • Ajuste o shiftwidth para controlar quantas colunas serão indentadas nas operações de reindentação.
  • Ativar a indentação automática.

O Vim é um editor de textos que usa atalhos de teclado para receber comandos sobre como processar o seu texto — em vez de ícones clicáveis.
Estas configurações são apenas um ponto de partida, para dar mais eficiência à edição. Recomendo conhecer alguns plugins que podem complementá-los.

O arquivo de configuração do Vim

Como já disse em outros textos, meu sistema operacional é o Debian Linux. Embora a maioria das instruções contidas no site não sejam específicas de qualquer sistema operacional, faz bem deixar claro que os meus exemplos são construídos neste SO. Eventualmente, você vai precisar adaptar algum procedimento ou nome de arquivo à sua realidade aí.
No Debian 9, o arquivo central de configuração do Vim é o ‘/etc/vim/vimrc.local’ ou ‘/etc/vim/vimrc’ — a depender do seu sistema operacional ou da sua distro.
Se você usa o Vim apenas para o Python, pode fazer os ajustes no seu arquivo de configuração local:
‘~/.vimrc’ ou ‘./vim/.vimrc’ no Linux.
Já para quem usa outras linguagens de programação, pode ser mais interessante usar um arquivo de configuração à parte, contendo os ajustes específicos para o Python.
O Vim permite usar arquivos de configuração diferentes ou variados.
No meu exemplo vou criar um arquivo de configuração a ser usado especificamente quando for escrever código em Python, chamado ‘.pyvimrc’. Ele vai ficar gravado em um subdiretório do meu home: ‘~/.vim/’
Para iniciar o editor, com as configurações especiais, basta usar a opção ‘-u’:


vim -u ~/.vim/.pyvimrc

Para facilitar mais, criei um curto script Bash, chamado ‘pyvim’ (python vim), contendo o seguinte comando:


#!/bin/bash
vim -u ~/.vim/.pyvimrc

Eu o gravei no diretório ‘/usr/bin’ e lhe dei permissão de execução:


sudo chmod a+x /usr/bin/pyvim

daqui pra frente, quando executar o script pyvim, o vim será invocado de acordo com as diretrizes inscritas no arquivo ‘~/.vim/.pyvimrc’.
Use os nomes que você quiser, ao criar os criar os arquivos.

Como ajustar o Vim para editar código Python

Vamos ver, neste tópico os ajustes que devem ser colocados no ‘.pyvimrc’ ou no arquivo de configuração da sua preferência.
Segue o conteúdo do meu arquivo ‘~/.vim/.pyvimrc’


textwidth=79	" quebra linhas com mais de 79 col.
shiftwidth=4	" ajusta as operações >> e << indentar e desindentar 4 col.
tabstop=4	" exibe uma TAB crua como 4 col.
expandtab	" insere espaços quando acionar a tecla TAB
softtabstop=4	" insere/remove 4 espaços com TAB/Backspace
shiftround	" arredonda a indentação para múltiplos dos shiftwidth especificados
autoindent	" insere indentação automática a cada nova linha

Experimente e veja como ficou!

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 49 outros assinantes

Interpretadores online para Python

Estudantes de programação nem sempre têm à sua disposição todas as ferramentas necessárias para praticar seu aprendizado.

Por sorte, com uma conexão à Internet, é possível continuar as lições, mesmo usando o computador dos outros.

No site oficial da fundação Python Software Foundation é possível usar uma shell online, com uma versão atual do Python.

Para chegar lá, clique no link: https://www.python.org/shell/.
Há vários outros interpretadores e compiladores Python online.
Leia este artigo para conhecer outros:
https://elias.praciano.com/2016/12/6-compiladores-online-para-estudantes-de-programacao/.

Python Anywhere

O site Python Anywhere, que provê o console Python da PSF, também tem um: https://www.pythonanywhere.com/try-ipython/.

A shell online do SymPy também vale a tentativa: http://live.sympy.org/. Neste caso, a última vez em que visitei o site, eles usavam o interpretador da versão 2.7 da linguagem, sem opção para a série 3.x.

Code Skulptor

O site CodeSkulptor provê uma interface web simples, porém bem funcional.

Nele, você pode escrever seu código e conta com bibliotecas avançadas, como a pygame.

A ferramenta pode ser encontrada aqui: http://www.codeskulptor.org/

Um servidor virtual online também pode ser útil

Uma experiência mais completa, pode ser obtida com o https://termbox.io, que permite simular uma máquina com Linux (com várias opções de distribuições) e dentro desta máquina virtual, rodar o seu interpretador Python.

Infelizmente, o site estava fora do ar em algumas de minhas tentativas de acessar.

Você tem outra sugestão de interpretador ou shell online para Python?! Então, deixe sua sugestão nos comentários!

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 49 outros assinantes