Jogo para adivinhar número em Python

Uma das maneiras mais legais para aprender a programar é brincar de alterar programas alheios.
Se for código de jogo, é mais divertido ainda.
python code
Desta vez, vou apresentar um jogo simples, de código mais simples ainda, aonde você pode treinar o uso de números aleatórios em Python, além da função input() – para inserir dados no programa.
Claro que temos um loop while clássico.
O código original pode ser encontrado aqui.
A minha versão está apenas traduzida — nas variáveis, nos comentários e nos diálogos com o usuário.
Como sempre, sinta-se à vontade para usar a caixa de comentários para mostrar (para mim e para outros leitores) as suas edições.
Não esqueça de usar o Python 3 como interpretador.
Segue o código:


# Jogo de adivinhação
import random

num_tentativas = 0

print('Olá! Qual o seu nome?')
# obtem o nome do jogador
meuNome = input()

# estabelece um número aleatorio entre 1 e 20
num = random.randint(1,20)
print('Bem %s, estou pensando em um numero, entre 1 e 20.' % (meuNome))

# estabelece 6 tentativas
while num_tentativas < 6:
    print('Tente adivinhar!')
    adivinha = input()
    adivinha = int(adivinha)
    
    num_tentativas = num_tentativas + 1
    
    if adivinha < num:
        print('Hmmmm... o número, em que eu pensei, é maior que esse.')
        
    if adivinha > num:
        print('Tente um valor menor.')
        
    if adivinha == num:
        break
    
if adivinha == num:
    num_tentativas = str(num_tentativas)
    print('Bom trabalho, %s! Você adivinhou meu número em %s tentativas!' % (meuNome, num_tentativas))

if adivinha != num:
    num_tentativas = str(num_tentativas)
    print('Que pena! Você tentou bastante e não conseguiu adivinhar.')
    print('O número que eu tinha em mente era %s.' % (num))


Python jogo
Divirta-se! 😉

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 47 outros assinantes

Melhore a compatibilidade do seu código Python 2 com o Python 3, usando o módulo future.

Como o nome diz, o módulo future do Python 2, contém bibliotecas que fazem uma ponte entre a versão legada da linguagem e suas novas características.
No Debian 9, a instalação padrão do Python já traz a biblioteca instalada e pronta para uso.
Em outras distribuições GNU/Linux ou sistemas operacionais, pode ser necessário fazer a instalação.
Use o PIP, para isto:


pip install future

Uma vez instalada, é fácil testar a biblioteca.
Rode a shell do Python 2.x com o seguinte código:


python

Python 2.7.13 (default, Jan 19 2017, 14:48:08) 
[GCC 6.3.0 20170118] on linux2
Type "help", "copyright", "credits" or "license" for more information.

>>> import __future__

>>> 

A biblioteca pode fazer com que operações numéricas simples ofereçam resultados de acordo com a versão 3 — só que dentro da versão 2, da linguagem:
Veja este exemplo, executado dentro da shell do Python 2:


>>> 3/2

1

>>> from __future__ import division
>>> 3/2

1.5
>>> 

Como você pode observar, na primeira operação de divisão (3 dividido por 2), o Python retorna o resultado, de acordo com o seu legado: operações envolvendo números inteiros, devem dar resultados inteiros.
Após importar a biblioteca division, do módulo __future__, o Python 2 permite que o resultado da operação seja exibido como floating point number.
Se você usa a versão 2.6, ou anterior, do Python, pode precisar instalar, ainda, instalar os pacotes importlib, unittest2 e argparse:


pip install importlib
pip install unittest2
pip install argparse

Nas versões 2.7+ do Python, os pacotes já estão lá.

O módulo __future__, permite usar funcionalidades do Python 3 em um ambiente Python 2.
Fique atento: algumas funcionalidades são sobrescritas.

Funções, como o print(), passam a substituir o print legado, do Python 2.
Da mesma forma, a divisão clássica é sobrescrita pela forma do Python 3.
Se você está começando a escrever código, relacionado a algum projeto novo (para rodar no Python 2), mas quer que este “já nasça” compatível com o Python 3.x, inclua estas 3 linhas no início de cada módulo:


from __future__ import (absolute_import, division,
                        print_function, unicode_literals)
from builtins import *

Daí para frente, escreva tudo em Python 3.
Se precisa se aprofundar mais no assunto, segue a documentação abaixo.

Referências

http://python-future.org/quickstart.html.

https://pypi.python.org/pypi/future.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 47 outros assinantes

Eric é uma IDE feita em Python e para Python.

O Eric é um ambiente de desenvolvimento integrado voltado para a linguagem de programação Python.
Para fazer este post, analisei a versão 17 no Debian 9.

Como IDE, o Eric se propõe a ser uma ferramenta completa para quem usa o Linux como sua plataforma favorita de desenvolvimento.
De acordo com a página do pacote, a aplicação é escrita em PyQt e o widget QScintilla para edição de texto.

Veja algumas de suas características:

  • Edição de texto configurável, destaque de sintaxe (syntax highlighting) e auto indentação.
  • Gestão integrada de projetos.
  • Uma janela de exploração conectada à sua estrutura de diretórios.
  • Debuggers e shells interativas, integrados para Python e Ruby.
  • Janela de exposição de variáveis globais e locais.
  • Interface integrada para o módulo “unittest”.
  • Interface de usuário (UI) em diversos idiomas.
  • etc.

Use o comando apt show para obter mais informações sobre o pacote:


apt show eric

Use o Dash do sistema, caso prefira a instalação pela interface gráfica (GUI).
debian gnome dash eric install
debian gnome dash eric install
Para quem prefere usar a CLI, rode o apt para fazer a instalação:


apt install eric

Depois de instalada, a IDE irá pedir algumas configurações iniciais, através do assistente.
Eric Python IDE

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 47 outros assinantes

Como instalar o Jupyter no seu sistema.

O Jupyter Notebook é uma aplicação web que permite criar e compartilhar instantaneamente documentos contendo códigos, equações etc.
Dependente do Python, para ser executado, oferece suporte a mais de 40 linguagens de programação.
Há mais de um método possível de instalação do Jupyter, tanto no Linux como em qualquer outro sistema operacional.

É comum fazer a instalação através da distribuição Python Anaconda — contudo, vamos abordar outra maneira de atingir este objetivo.
Os procedimentos valem para qualquer sistema operacional, embora meus exemplos sejam executados no Linux.

Usar o PIP, permite uma instalação rápida — que deixa o seu sistema pronto para começar a usar o aplicativo em poucos minutos (ou segundos…)
Verifique se você está usando uma versão atualizada do Python – seja da série 2.x ou superior ao 3.3 – antes de continuar.


python2 --version

Python 2.7.13

ou


python3 --version

Python 3.5.3

O PIP também precisa estar atualizado:


pip3 install --upgrade pip

Em seguida, rode o comando de instalação:


pip3 install jupyter

No caso de você estar usando a série 2.x do Python, use apenas pip:


pip install jupyter

Feito!
Com este procedimento, você terá instalado o Jupyter Notebook, entre outros softwares (incluídos no pacote) no seu sistema.
pacotes incluídos com o Jupyter
Você pode rodar o aplicativo, do terminal, com o seguinte comando:

jupyter notebook

Ao mesmo tempo em que ele vai dar início a um servidor, para dar suporte às funções do aplicativo, irá também abrir uma janela do navegador padrão do seu sistema com a tela de entrada do Jupyter.
Se o navegador não for aberto, abra o seguinte endereço: http://localhost:8888.
jupyter screenshot

Por curiosidade... como se pronuncia Jupyter

Entre os programadores e instrutores online – de língua inglesa e que têm vídeos sobre o assunto – tenho notado duas pronúncias básicas:

  1. Ju-pi-ter, tal como se pronuncia o nome do maior planeta do sistema solar (dentre os que se conhece, até agora) e
  2. Ju-pai-ter, em que a sílaba do meio, alude à linguagem de programação em que o aplicativo, atualmente, é mais usado: Python

Se você é uma daquelas pessoas chatas, que se preocupam com a pronúncia correta sempre (oi! Olha eu aqui!! 😉 ), então fique tranquilo(a).
As duas formas são amplamente difundidas e aceitas.
A primeira é mais usada no inglês falado nos EUA e a segunda em países, cuja influência linguística segue a pronúncia da Inglaterra (Austrália, Irlanda, Índia, Escócia etc.)
Eu prefiro usar a segunda, e você?

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 47 outros assinantes

Como instalar o gestor de pacotes do Python, PIP, no Debian.

É possível instalar o gestor de pacotes do Python direto dos repositórios oficiais da distro Debian GNU/Linux.
O procedimento, descrito aqui, provavelmente funciona no Ubuntu também, além de outras distribuições derivadas — mas eu só testei no Debian 9.0 Stretch.
Use a sessão dos comentários, para me avisar sobre possíveis problemas que encontrar durante a instalação.
Sugiro a leitura deste texto, caso queira instalar o PIP em outra distro GNU/Linux.
Use o apt para obter a versão estável do programa:


sudo apt install python-pip

Como instalar o Python PIP no Debian Linux
Se tiver interesse, instale também a versão do Python 3:


sudo apt install python3-pip

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 47 outros assinantes